Um ponto de encontro entre internautas cristãos, professores de escola bíblica e pregadores.

CESSACIONISMO É REBELIÃO - VINCENT CHEUNG - (TRADUÇÃO JÚLIO SEVERO)


 TESSALONICENSES 5:19-21


Os versículos de 19 a 22 tratam da orientação do apóstolo sobre as profecias. Paulo escreve: “Não trate as profecias com desdém,” mas orienta os cristãos a “examinar tudo.”


O cessacionismo é a doutrina falsa que ensina que as manifestações dos dons miraculosos, conforme estão enumerados em 1 Coríntios 12, cessaram desde os dias dos apóstolos e a finalização da Bíblia. Embora não exista nenhuma evidência bíblica para essa posição, um dos motivos principais para essa invenção é “proteger” a suficiência das Escrituras e a finalização (término) das Escrituras. Contudo, já foi demonstrado que a continuação das manifestações miraculosas de fato não contradiz essas duas doutrinas nem as coloca em risco. Portanto, o cessacionismo é antibíblico e desnecessário.

Mais do que isso: o cessacionismo é também maligno e perigoso, pois se o cessacionismo é falso, então os que defendem essa doutrina estão pregando rebelião contra o Senhor.

A Bíblia ordena aos cristãos: “Siga o caminho do amor e deseje intensamente os dons espirituais, principalmente o dom de profecia” (1 Coríntios 14:1). Se o cessacionismo é correto, mas não sabemos, então podemos ainda tranquilamente obedecer a essa instrução, embora não receberemos o que desejamos. Isto é, se a profecia cessou, mas pensamos que ela continua, então eu posso ainda desejar o dom de profecia de acordo com esse mandamento, mas não receberei o dom de profecia. Nenhum mal é feito.

Por outro lado, já que os cessacionistas ensinam que o dom de profecia cessou, então embora a Bíblia nos ensine a “desejar dons espirituais,” eles não desejarão dons espirituais, pois os dons espirituais não estão mais em operação, e quaisquer dons que as pessoas achem ter são necessariamente falsos. Isso também se aplica à profecia em particular. Portanto, embora Paulo ensine “Não trate as profecias com desdém,” os cessacionistas são obrigados a tratar todas as profecias com desdém, pelo fato de que eles acreditam que o dom de profecia cessou. Por isso, para eles todas as profecias de hoje são falsas. A postura deles sobre profecia é “rejeitar tudo” em vez de “examinar tudo.” Mas igualmente, se o cessacionismo é falso, então os cessacionistas estão pregando rebelião contra os mandamentos da Bíblia de desejar e examinar as manifestações espirituais.

Pelo fato de que os mandamentos “deseje dons espirituais,” “não trate as profecias com desdém” e “examine tudo” são revelados por uma autoridade divina e infalível, os cessacionistas são obrigados a apresentar um argumento infalível para tornar esses mandamentos inaplicáveis para os dias de hoje. Se não conseguirem apresentar tal argumento, mas ainda defenderem o cessacionismo em face desses mandamentos bíblicos explícitos, então não é óbvio que eles se condenaram diante de Deus, ainda que tenham certeza de que os dons cessaram? Nenhum cristão deveria aventurar-se a seguir os cessacionistas ou acreditar em suas doutrinas. Se alguém prega o cessacionismo, mas não consegue prová-lo — se ele não consegue apresentar um argumento infalível em defesa do cessacionismo (pelo fato de que o mandamento de desejar manifestações espirituais é claro e infalível), então isso significa que ele está conscientemente pregando rebelião contra alguns dos mandamentos diretos de Deus. Caramba então: ele não deveria ser removido da posição de pastor e outros cargos ministeriais? Ele não deveria ser até mesmo excomungado da igreja?

Considerando que os argumentos em defesa do cessacionismo são forçados e débeis, e pelo fato de que essa doutrina apresenta um perigo muito grande, é melhor crer na Bíblia conforme foi escrita, e obedecer a seus mandamentos conforme estão declarados — isto é, “deseje dons espirituais” e “examine tudo.” Essa posição é fiel às declarações diretas das Escrituras, mas requer resistência corajosa a argumentos falaciosos, bullying acadêmico e tradições eclesiásticas.

Inseparável dessa abordagem bíblica é a proteção contra fanáticos carismáticos e milagres falsos. A Bíblia nos instrui a “examinar tudo,” e já que a Bíblia é suficiente, pode expor milagres fraudulentos e profecias falsas. A resposta não é afirmar que os dons cessaram, mas seguir as instruções que a Bíblia já deu sobre esse assunto. Essa posição, que precisamos seguir o que a Bíblia diz, nos oferece a proteção perfeita ainda que o cessacionismo fosse correto. Se o dom de profecia cessou, então qualquer profecia hoje é falsa. Pelo fato de que a Bíblia é revelação suficiente, as informações na Bíblia nos deixarão em condições de “examinar tudo,” de modo que toda profecia alegada hoje ou será examinada e, descobrindo-se que é falsa, será condenada, ou se o conteúdo é tal que é inexaminável, será ignorada.

O cessacionismo nos ensina a abandonar alguns mandamentos divinos sem autorização de Deus, e assim prega rebelião, mas a posição de que temos de “desejar dons espirituais” e “examinar tudo” prega obediência ao Senhor, e é ao mesmo tempo capaz de se proteger contra todas as enganações. Não há nenhum perigo em desejar dons espirituais enquanto também examinamos tudo - se todas as manifestações são falsas, então as exporemos todas como falsas quando as examinarmos, e assim as consideraremos todas como falsas. Alguém que assim procede está a salvo de julgamento.

Texto traduzido por Júlio Severo - Veja o artigo no site original.
Share:

MARCADORES

A pessoa de Cristo (1) A.W. Tozer (3) Abraão (1) Antonio Gilberto (2) arminianismo (3) Arrebatamento (1) arrependimento (1) Assembléia de Deus (2) Batismo com Espirito Santo (2) bebida alcoólica (1) bíblia sagrada (1) Billy Graham (1) Blog Cantinho Restaurado (1) calvinismo (13) calvinistas (1) Calvino (1) certo (1) cessacionismo (2) Ciro Zibordi (12) Claudionor de Andrade (1) comportamento (4) confraria pentecostal (1) continuismo (1) Corpo de Cristo (1) CPAD (1) cristianismo (2) cruz (1) Daladier Lima (3) Dan Corner (1) Dave Hunt (2) Devocional (5) dízimo (2) Dons Espirituais (7) Douglas Batista (1) Doutrina Pentecostal (1) eleição (2) Eliseu Gomes (2) equívocos religiosos (2) errado (1) erudição (1) Evangelho (3) evangelicalismo (1) Experiência (1) Familia (1) Familia Cristã (4) (1) felicidade (1) graça (3) Gunnar Vingren (1) herege (1) heresia (4) Hernandes Lopes (1) Igreja (2) Imael Brito (1) imperialismo (1) Islamismo (1) João Cruzué (1) jugo desigual (1) julgamento (1) linguagem cristã (1) Línguas estranhas (4) livre-arbítrio (5) livro da vida (1) Luciano Subirá (1) Max Lucado (1) Melquisedeque (1) Menno Simons (1) mulher (1) Mundanismo (2) Natal (1) Norman Geisler (1) Paulo Junior (1) pecado (1) pentecostais (1) perdão (1) personagens (1) piedade (1) Predestinação (4) pregação expositiva (1) profecia (1) razão (1) reforma protestante (1) religiosidade (1) renovados (1) sacerdote (1) Salvação (3) Sandro L. Oliveira (1) Santificação (1) Século XXI (1) simplicidade (1) sinais (1) soberania de Deus (1) sola scriptura (1) soteriologia (1) Susanna Wesley (1) teologia (2) Teologia Pentecostal (1) Tiago Rosas (3) titanic (1) Versículos Bíblicos (1) Vida Cristã (9) vídeo (2) visão (1)