Um ponto de encontro entre internautas cristãos, professores de escola bíblica e pregadores.

DEUS ODEIA O PECADOR?

Por Ciro Zibordi


Alguns estudiosos têm confundido ira divina com ódio justiceiro. Mas, à luz da Bíblia, Deus não odeia pessoas. Ele não é um sádico vingador. Ele é justo e perdoador. E, por isso, dá ao ser humano oportunidade de arrependimento. “Ah, mas é impossível dissociar o pecado do pecador”, alguém argumentará.

Muitos, torcendo as Escrituras, têm afirmado que o Senhor odeia o pecador por causa do seu pecado, como se Ele fosse um justiceiro com sede de vingança. Eles negam o que a Palavra de Deus diz a respeito do amor incondicional de Deus, que não tem prazer na morte do ímpio (Ez 33.11); e deseja que todos se arrependam (2 Pe 3.9). Depois da desobediência de Adão e Eva, isto é, a Queda, Deus nivelou a todos debaixo do pecado (Rm 3.23; Gl 3.22), “para com todos usar de misericórdia” (Rm 11.32).

Lembra-se do rei Manassés? A sua biografia está em 2 Crônicas 33 e 2 Reis 21. Ele começou a reinar em Judá com 12 anos, reinou por 55 anos e fez o que era mau aos olhos do Senhor, conforme a abominação dos gentios. O Senhor jamais teve ódio de Manassés, porém a sua ira se ascendeu contra ele. Como assim?

No seu reinado, Manassés tornou a edificar os altos derribados por Ezequias; levantou altares a Baalim; edificou altares na Casa do Senhor a todo o exército dos céus e prostrou-se diante deles; fez passar seus filhos pelo fogo (!); usou de adivinhações, agouros e feitiçarias; fez errar o povo de Judá, a ponto de este se tornar pior do que as nações que Deus destruíra; não deu ouvidos ao Senhor... Ufa! A folha corrida de Manassés sequer cabe aqui! Deus ficou irado contra ele. Mas agora vem a distinção entre a ira divina e o ódio justiceiro.

Depois de ter sido levado cativo pelos assírios, Manassés, angustiado, orou ao Senhor e humilhou-se muito. Sabe o que aconteceu? Deus — que, mesmo irado contra Manassés, sempre o amou, pois Ele ama os ímpios e pecadores — aplacou-se para com ele. E Manassés, ao sentir-se amado por aquEle contra quem havia pecado tanto, tirou da Casa do Senhor os deuses estranhos, reparou o altar e mandou que Judá servisse ao Senhor. O Senhor odeia o pecado. E os homens que permanecem no pecado experimentarão a ira divina. Manassés se arrependeu e foi poupado. Mas o rei de Judá que o sucedeu, Amom, provou do furor divino, baseado nas santidade e justiça do Justo Juiz: “E fez [Amom] o que era mau aos olhos do SENHOR, como havia feito Manassés, seu pai, [...] Mas não se humilhou perante o SENHOR, como Manassés, seu pai, se humilhara; antes, multiplicou Amom os seus delitos” (2 Cr 33.22,23).

Quem defende a tese de que Deus odeia os pecadores geralmente confunde a ira de Deus — que é baseada em seu caráter justo e santo — com o ódio justiceiro. E, por isso, apega-se a textos isolados, como Salmos 11.4, visto que este menciona o suposto ódio divino a pessoas de modo objetivo: “a sua alma aborrece o ímpio e o que ama a violência”. Entretanto, os termos originais para odiar ou aborrecer — tanto no Antigo como no Novo Testamentos — apresentam, de modo geral, várias acepções, como: sentimentos maldosos e injustificáveis para com os outros; preferência relativa de uma coisa sobre outra; um correto e justo sentimento de aversão ao que é mau, etc. O termo hebraico sãne’ “representa uma emoção que varia de ‘ódio’ intenso à mais fraca ‘indisposição com’ alguém ou algo” (VINE, W. E., Dicionário Vine. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD).

Em Romanos 9.13 está escrito: “Amei a Jacó e aborreci Esaú”. Qual é o sentido original da palavra usada para “aborreci”, “odiei” ou “rejeitei”? No hebraico, o termo empregado na aludida passagem denota “amar menos” e é o mesmo usado para descrever o sentimento de Jacó por Leia. Ele a “desprezava” porque amava mais a Raquel (Gn 29.30,31). O sentimento de Jacó por Leia não era de ódio; ele não queria vê-la sofrer. E até teve filhos com ela! Mas Raquel era a sua preferida. No Novo Testamento, esse hebraísmo também ocorre em Lucas 14.26 e Mateus 10.37, textos pelos quais aprendemos que, para seguirmos ao Senhor Jesus, amando-o acima de tudo, devemos amar menos (ou “aborrecer”) a nossa família.

Diante do exposto, fica evidente que a Palavra do Senhor, ao mencionar a ira de Deus contra os ímpios, não alude a um sentimento de ódio justiceiro, como de alguém que, sem misericórdia, deseja destruir os pecadores impenitentes. Deus amou o mundo (Jo 3.16), isto é, a totalidade da humanidade. E, embora tenha de condenar ao Inferno a maioria dos pecadores, haja vista poucos entrarem pela Porta da Salvação (Jo 10.9; Mt 7.13,14), Ele enviou o seu Filho unigênito para provar a morte por todos os pecadores (Hb 2.9; 2 Co 5.14-21), a fim de igualmente propiciar salvação a todos que se arrependerem (At 17.30,31; 1 Jo 2.1,2).

Ciro Sanches Zibordi


Fonte: CPAD News
Share:

MARCADORES

A pessoa de Cristo (1) A.W. Tozer (3) Abraão (1) Antonio Gilberto (2) arminianismo (3) Arrebatamento (1) arrependimento (1) Assembléia de Deus (2) Batismo com Espirito Santo (2) bebida alcoólica (1) bíblia sagrada (1) Billy Graham (1) Blog Cantinho Restaurado (1) calvinismo (13) calvinistas (1) Calvino (1) certo (1) cessacionismo (2) Ciro Zibordi (12) Claudionor de Andrade (1) comportamento (4) confraria pentecostal (1) continuismo (1) Corpo de Cristo (1) CPAD (1) cristianismo (2) cruz (1) Daladier Lima (3) Dan Corner (1) Dave Hunt (2) Devocional (5) dízimo (2) Dons Espirituais (7) Douglas Batista (1) Doutrina Pentecostal (1) eleição (2) Eliseu Gomes (2) equívocos religiosos (2) errado (1) erudição (1) Evangelho (3) evangelicalismo (1) Experiência (1) Familia (1) Familia Cristã (4) (1) felicidade (1) graça (3) Gunnar Vingren (1) herege (1) heresia (4) Hernandes Lopes (1) Igreja (2) Imael Brito (1) imperialismo (1) Islamismo (1) João Cruzué (1) jugo desigual (1) julgamento (1) linguagem cristã (1) Línguas estranhas (4) livre-arbítrio (5) livro da vida (1) Luciano Subirá (1) Max Lucado (1) Melquisedeque (1) Menno Simons (1) mulher (1) Mundanismo (2) Natal (1) Norman Geisler (1) Paulo Junior (1) pecado (1) pentecostais (1) perdão (1) personagens (1) piedade (1) Predestinação (4) pregação expositiva (1) profecia (1) razão (1) reforma protestante (1) religiosidade (1) renovados (1) sacerdote (1) Salvação (3) Sandro L. Oliveira (1) Santificação (1) Século XXI (1) simplicidade (1) sinais (1) soberania de Deus (1) sola scriptura (1) soteriologia (1) Susanna Wesley (1) teologia (2) Teologia Pentecostal (1) Tiago Rosas (3) titanic (1) Versículos Bíblicos (1) Vida Cristã (9) vídeo (2) visão (1)